Buscar
  • Wander B.

E A HASHTAG DOS 70%?

É fato que uma hashtag pode ser um indicativo para quantificarnos a força de assuntos na rede, apesar de mesmo isso ser questionável por muitos motivos: acontecimentos do MasterChef Brasil viram "trending topics" no mundo - o Brasil é muito populoso e muito ativo na internet.

Mas legal: quando uma coisa justa ganha visibilidade é bom, quando uma denúncia ganha visibilidade é bom.

Tudo bem! Vamos nessa!

Mas precisamos pensar em efeitos colaterais desse tipo de movimento.

#NÃOVAITERGOLPE não evitou o golpe.

#FORATEMER não tirou o Temer.

Mas até aí tudo bem: nem todas as nossas manifestações resultam necessariamente naquilo que desejamos.

Muitas vezes nos manifestamos já sabendo que o resultado não virá.

Manifestamo-nos pelo exercício da democracia: o exercício fundamental de tentar fazer parte do debate político, agir politicamente dentro das nossas possibilidades.

Ok!

Até aqui vamos juntos, sim?

Mas e quando a hashtag hipertrofia o músculo do oponente?

A metáfora não é em vão.

Algumas hashtags erguidas nos últimos anos fortaleceram aquilo que queriam combater.

#ELENÃO é o grande exemplo disso.

#ELENÃO fortaleceu o bolsonarismo.

Analiso isso sem tirar o meu corpo fora, apesar de nunca ter sido muito adepto das hashtags usei o #elenão.

Usei pouco. Mas usei.

E qual foi o resultado prático disso?

Em português popular: lenha na fogueira.

#ELENÃO acendeu a direita. E até quem estava pensando em votar em outros candidatos percebeu que o representante da onda antipetista era Jair Bolsonaro.

O nós contra eles ganhou contornos únicos e o resultado está aí.

Pois bem...

Uma nova hashtag está pulsando na rede.

#SOMOS70PORCENTO é a bola da vez.

Detesto ficar aqui jogando água fria: vou lhes confessar, seria bom se tudo fosse simples assim, se erguêssemos uma tag e ela só servisse para nos unir.

Não é assim.

Eu quero, então fazer as minhas perguntas.

Mas antes um parêntese. Lá vai.

(Pessoas queridas, mais uma vez, quando eu tento dialogar com vocês devolvendo complexidade às coisas não estou querendo lhes aborrecer. Eu quero colaborar. Digo coisas aqui que são impopulares com o meu público, perco seguidores de esquerda, perco seguidores de direita, enfim, um preço que vou pagando por acreditar que posso melhorar essa discussão. Fico triste, confesso, quando percebo que ofendi pessoas: sempre trabalho minhas palavras aqui com educação, respeitando diferenças: abri mão de certas ironias que me divertem na arte, mas que percebi que só atrapalham quando o papo é política. Ou seja, eu quero dialogar. Trazer pontos. Ler vocês. Simples assim: se discorda não precisa me cancelar, escreve aqui teu ponto. Se te ofendi por algum motivo, tenho inclusive a capacidade de me retratar.)

Parêntese feito, voltemos ao tema.

Eu quero fazer as minhas perguntinhas e devolver complexidade ao debate.

Ao fixar uma taxa de 70% contra Bolsonaro, vocês estão admitindo que os outros 30% são fiéis ao presidente e isso não se altera uma vez que esses 30% estão com o presidente para o que der e vier?

É isso?

Se for isso, vai mal. 30% de eleitores fidelizados num país desse tamanho é muita gente. Se comprarmos a narrativa de que Bolsonaro tem 30% que está disposto a ir com ele até as últimas consequências, as consequências podem ser terríveis.

Desses 70% que estatisticamente estão contra Bolsonaro, quantos votariam nulo ou branco se as eleições fossem hoje? A pergunta vale: com 30% uma pessoa se elege em primeiro turno a depender da porcentagem de votos brancos e nulos. A cidade de São Paulo viveu algo parecido com isso em 2016 com João Doria - espiem os números.

Mais perguntas.

Desses 70%, todos são a favor do impeachment?

Vocês pararam pra pensar que dentro dessa soma estatística estão somando pessoas que acham o governo péssimo, ruim e regular?

Achar regular não é ser contra, pessoas queridas.

Sigo com mais algumas perguntas - tenho muitas, mas já vou me encaminhando pro fim desse meu texto.

Parto para perguntas mais quentes.

Dentro desses 30% que apoiam fielmente Bolsonaro, quantas pessoas são capazes de bancar um conflito armado caso o presidente incentive isso?

Não tenho a resposta.

O presidente seria capaz de convocar essas pessoas para um conflito armado? Responda pra você.

Alguns empresários radicais seriam capazes de financiar isso? Responda pra você.

Retirando dos 70% a parte que acha regular, quantos por cento sobram?

Dentro dessa porcentagem que acha o governo ruim ou péssimo, quantos são a favor de conflito armado? Responda pra você.

Conflito armado é o caminho pro Brasil que você deseja? Responda pra você.

Eu prefiro vias democráticas.

Para combater Bolsonaro por essas vias nós precisamos que mais pessoas considerem seu governo ruim ou péssimo.

Pessoas que estão entre esses 30% precisam mudar de opinião.

Vale a pena fidelizar tanta gente pra Bolsonaro?

Será que a hashtag dos 70% é mais uma hashtag que fortalece aquilo que quer combater?

Em tempo, a última pergunta, que é muito importante - e tem um enunciado um pouco maior.

Quando um eleitor se mantém fiel a Bolsonaro, ele é chamado por muitos de fascista por ser conivente com a necropolítica do Bolsonaro. Quando um eleitor de Bolsonaro se arrepende de seu voto e se retrata publicamente, ele é chamado por muitos de "minion arrependido". Então vem a minha pergunta final: que opção sobra para os eleitores de Bolsonaro?

Essa eu vou responder: nós precisamos conversar com as pessoas que ainda apoiam Bolsonaro e, evidentemente, trazê-las para o debate democrático. Para aquelas que já se arrependeram do voto, devemos então pedir apoio e nunca zombar - ou queremos que a pessoa volte a defender Bolsonaro por ser humilhada pela oposição?

Enfim, sem pensar com complexidade não se melhora um país. Temos que parar de agir na emoção, na ilusão, na base do que gostaríamos que fosse a realidade.

Quantos por cento cabem nos seus 70%? Dá pra aumentar? É bem menor? Tudo isso precisa ser bem pensado.

Pensemos.

2 visualizações
 

©2020 por Wander B.. Orgulhosamente criado com Wix.com

This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now